Reitor outorga grau de formandos em Licenciatura Indígena em Políticas Educacionais e Desenvolvimento Sustentável

Carla Santos
Equipe Ascom Ufam
 
Formar professores-pesquisadores indígenas no âmbito da enunciação de políticas públicas educacionais e processos pedagógicos próprios: uma missão a qual a Universidade Federal do Amazonas (Ufam) exerce, no município de maior número de indígenas do País, a cidade São Gabriel da Cachoeira, distante a 853 km em linha reta da capital, Manaus. Em uma solenidade que valorizou a cultura nativa, o reitor da Instituição, professor Sylvio Mario Puga Ferreira, presidiu a cerimônia de outorga de grau a 29 formandos da segunda turma de Licenciatura Indígena em Políticas Educacionais e Desenvolvimento Sustentável (Yegatu), intitulada Pisasuwa Kuasa.
 
Iniciado no ano 2009, a Licenciatura é organizada a partir da territorialidade linguística (Baniwa,  Yegatu e Tukano) sendo ofertada em seis polos, cuja metodologia se norteia pela legislação nacional e internacional da educação indígena. O curso tem duração de quatro anos e é promovido em oito etapas intensivas e sete intermediárias.  
 
Na solenidade de outorga de grau, foram convidadas a compor a mesa, além do reitor da Ufam, as seguintes autoridades: a idealizadora do curso de graduação e paraninfa da turma, professora do Instituto de Filosofia, Ciências Humanas e Sociais, professora Ivani Ferreira de Faria, o pró-reitor de Extensão, professor José Ricardo Bessa Freire e a diretora do IFCHS, professora Simone Baçal. O diretor-presidente da Federação das Organizações Indígenas do Rio Negro (Foirn), Marivelton Barroso e o professor homenageado, Rinaldo Sena Fernandes, além do coordenador da Licenciatura, professor Frantomé Bezerra Pacheco, as lideranças indígenas Baré e Werekena, Bras França e Juarez Cândido, respectivamente e o diretor da Pró-reitoria de Pesquisa e Pós-graduação, professor Jamal Chaar também compunham a mesa da solenidade. A cerimônia foi realizada no auditório 'Wayuri', do Instituto Federal do Amazonas (Ifam), cujo diretor, professor Elias Brasilino, foi representado pelo professor Manoel de Jesus Souza, também à mesa do evento.
 
Após a entrada dos formandos, a aluna Maria Lindalva Fointes Olímpio, da etnia Baniwa, procedeu ao juramento em português e em Yegatu. Da mesma forma, o orador, Paulo Cézar Gaspar Gonçalves, proferiu seu discurso nos dois idiomas, emocionando os familiares e professores do curso. A tônica dos pronunciamentos, a valorização das tradições nativas e a necessidade de garantir o direito ao conhecimento para salvaguardar a cultura dos povos indígenas. 
 
O reitor da Ufam, professor Sylvio Puga, falou da importância da Licenciatura e a obstinação da idealizadora do curso, professora Ivani Ferreira de Faria para fortalecer a relação da Universidade com os povos indígenas. "A Licenciatura é uma prática desenvolvida que converge no exercício das habilidades dos, agora, licenciados, que é uma proposta do curso. Qualificando-se, os novos profissionais estarão aptos a pensar e criar instrumentos pedagógicos próprios à prática docente para o bem viver em suas comunidades", disse o reitor. 'Aqui, reconhecimos e ratificamos o compromisso da professora Ivani Ferreira de Faria de décadas para com as políticas educacionais voltadas aos povos indígenas", ressaltou o reitor. 
 
A paraninfa da turma, professora Ivani Ferreira, em seu discurso, chamou ao exercício de cidadania participativa indígena e a construção da autonomia educacional dos licenciados. "Nosso ideal é difundir o controle sobre a agenda educacional indígena, com o objetivo de romper com o que se impõe a esses povos no que tange à educação e a Licenciatura Indígena em Políticas Educacionais e Desenvolvimento Sustentável (Yegatu) vem para preencher essa lacuna", salientou. 
 
Aprendizado -  Primeiro a receber o diploma de licenciado, o graduado Adailton Pompilho Baltazar, falou da felicidade de cumprir uma jornada importante em sua vida pedagógico. "Não foi fácil chegar até aqui, porque fazemos muitas renúncias para poder estar em sala de aula. Deixar nossa comunidade e vir para a cidade, estudar, requer muita força de vontade e apoio da família", contou. 
 
O graduado da turma com mais idade, Eliúde Américo Rodrigues Carneiro, já possuía graduação na área de Educação por outra instituição, mas disse que, até cursar a Licenciatura, ainda não se sentia suficientemente preparado para lecionar. "Vou voltar a minha comunidade mais qualificado para ministrar minhas aulas. Agora me sinto mais seguro para atuar como professor, o que aprendi aqui me abriu as portas para um universo que até então eu não acreditava que pudesse ser capaz de administrar e empregar no meu dia a dia", considerou.
 
Abaixo, a listagem com os nomes dos novos licenciados em Políticas Educacionais e Desenvolvimento Sustentável (Yegatu):
 
- Alberta Gomes André
 
 
 
 

RP

Como parte das comemorações pelos 40 anos do curso de Relações Públicas da Ufam, o fundador e ex-professores da graduação foram homenageados com placas de agradecimento, na manhã desta sexta-feira, 1º de dezembro, em solenidade realizada no auditório Solimões, na Faculdade de Informação e Comunicação (FIC). A cerimônia acolheu, ainda, o lançamento oficial do selo comemorativo alusivo à data. Acompanhado do representante da Superintendência dos Correios no Amazonas, o reitor da Universidade, professor Sylvio Mario Puga Ferreira validou a marca comemorativa e os entregou a convidados do evento.  

 
Tanto a entrega da placa comemorativa quanto o lançamento do selo representam, segundo a coordenação da cerimônia, um momento simbólico da memória das Relações Públicas no Amazonas, no intuito de valorizar aqueles que contribuíram na formação de novos profissionais, ajudaram a promover a inserção deles no mercado de trabalho e na consolidação da atividade de Relações Públicas na sociedade.
 
Entre os professores homenageados estavam a professora Terezinha Lima, professora Socorro Pereira, professor Reynaldo de Miranda Leão (in memorian, representado por seu filho), professora Ierecê Barbosa (ausente, mas representada pela coordenadora do evento, professora Célia Carvalho), professora Luíza Elayne e professor Edson Gil Costa (ausente e representado pela professora Aline Lira). As principais menções foram feitas ao professor fundador do curso de Relações Públicas, Randolpho Bittencourt e ao professor emérito do curso de Jornalismo e que também ocupou o cargo de reitor da Instituição entre 1997 e 2001, Walmir Albuquerque. 
 
No momento da entrega das placas, muitos dos homenageados se emocionaram e os que representaram os agraciados, discursaram à plateia expressando respeito, carinho e agradecimento aos que não puderam receber a honraria, pessoalmente. O professor Walmir Albuquerque, por exemplo, foi citado como "o jornalista mais relações públicas" do curso de Comunicação Social da Ufam por ter atuado como orientador de muitos alunos de Relações Públicas. À mesa do evento, o professor do curso de RP Jonas Gomes mencionou sua premiação nacional no concurso Celso Furtado de Desenvolvimento Regional, conquistado, segundo ele, em função do grande apoio que recebeu do professor emérito Valmir Albuquerque. "Praticamente todo o curso de Relações Públicas da casa conviveu com o professor Valmir (Albuquerque) mesmo que na formação, ele seja um jornalista. Eu tive a honra de ser seu aluno e agora, estar sentado à mesa com ele, para homenageá-lo", frisou o professor Jonas Gomes.  
 
professor Reynaldo de Miranda Leão também foi mencionado por outros professores presentes à solenidade. De acordo com o professor Walmir Albuquerque, ele era um professor dedicado, que mesmo tendo tido oportunidade nunca se ausentou da Universidade, levando para os alunos sua própria vivência em instituições públicas para servir de conhecimento para quem ministrava aulas. As memórias sobre o professor Reynaldo foram reiteradas pela professora Terezinha Lima Silva, que destacou suas qualidades não apenas como docente, mas como ser humano alegre, culto e muito generoso. "Ele era uma pessoa sim, muito querida, que nos faz falta, que hoje sentimos ainda mais por não poder tê-lo aqui para receber essa justa homenagem, mas ele era uma pessoa feliz, deve estar orgulhoso do que estamos vivendo e vamos sempre lembrar dessa alegria que ele levava consigo", salientou.   
 
Selo comemorativo - Encerradas as homenagens aos ex-professores do curso de Relações Públicas, o reitor, professor Sylvio Puga e o representante da Superintendência dos Correios, Lourenzzo Allysson Gondim da Silva tomaram a mesa para início da cerimônia de obliteração do selo. No ato de obliteração, a autoridade carimba o selo que será afixado à correspondência e sua marca de referência passa a ser comercializada e podendo circular por todo o mundo. 
 
Posterior ao reitor, o mesmo ato de obliteração foi conduzido junto ao diretor da FIC, professor Allan Rodrigues e também à decana do curso, professora Laura Jane Vidal Bezerra. Além deles, a coordenadora do curso, professora Judy Lima, os representantes docentes professora Aline Lira e Jonas Gomes e representantes discentes Mateus Pacheco, Antônio Carlos Lopes e Sumara Ennes das Neves também receberam o selo. 
 
representante da Superintendência dos Correios, Lourenzzo Allysson Gondim da Silva agradeceu o convite para prestigiar e participar do evento e destacou a importância do curso para a sociedade. "Reitero aqui a importância desse campo de formação para as instituições públicas e privadas, porque é por meio delas que existe a aproximação com o público", falou, destacando: "Esse selo não apenas marca a história do curso, vai também eternizar esse momento nas peças filatélicas que irão circular nas nossas mais de 5.000 agências por todo o País", frisou. 
 
No auditório, o reitor iniciou seu pronunciamento saldando o ex-reitor e professor emérito da Ufam, Valmir Albuquerque e o professor Randolpho de Souza Bittencourt, nomes responsáveis pela fundação do curso de RP, os quais, para o reitor, tiveram o pensamento visionário, acreditaram e constituíram a faculdade com inúmeros desafios, há quatro décadas.     
 
O reitor seguir seu discurso reafirmando seu intuito de fazer com que o curso de Relações Públicas se fortaleça ainda mais. "Este nosso sonho, essa chama precisa se manter acesa, mesmo com os desafios e esses desafios precisam ser avaliados sob a ótica positiva, com criatividade e novos modelos. Eu acredito e estamos trabalhando para isso, focando em um futuro tão glorioso, quanto o passado e o presente até esse momento, seguindo o exemplo de Valmir Albuquerque e Randolpho Bittencourt. São momentos como esse que congregamos e que nos anima o sentimento de unidade universitária", concluiu.  
 
Tradição e regionalismo - A construção visual do selo remete à tradição e ao regionalismo por meio dos traços indígenas geométricos, que compõem o numeral 40. As diferentes tonalidades de verde representam diversas associações materiais, como a floresta, a Amazônia, a Ufam, as folhagens e a natureza. 
 
"Na associações afetiva, o selo remete ao orgulho, à juventude, à maturidade, à coragem e à firmeza. A marca representa a renovação constante do curso e a missão de formar profissionais de excelência", enumerou a coordenadora do evento dos 40 anos das RP, professora Célia Carvalho
 
Por fim, todos os convidados participaram do descerramento da placa em homenagem aos 40 anos do curso de RP, afixada no segundo andar do prédio do Departamento de Comunicação. De lá, todos seguiram para o brinde e corte do bolo comemorativo à data. 

Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa é tema de encontro na Ufam

Evento é coordenado pela Faculdade de Educação e visa a formação continuada de professores alfabetizadores

Por Ismael dos Santos (Equipe Ascom) e Ana Célia Ossame

Será no próximo dia 30 de novembro, quinta-feira, a partir das 8h30, a abertura da formação continuada para os profissionais que atuam do 1º ao 3º ano do ensino fundamental no âmbito do Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa (PNAIC) 2017.O evento será no Auditório Eulálio Chaves, no Campus Universitário da Ufam, na Avenida General Rodrigo Octávio Jordão Ramos, no Coroado.  

Sob a coordenação do Centro de Formação Continuada, Desenvolvimento de Tecnologia e Prestação de Serviços para a Rede Pública de Ensino (Cefort), vinculado à Faculdade de Educação da Universidade do Amazonas (Faced), o PNAIC 2017 tem como foco o direito da criança ser alfabetizada e vai abranger os 62 municípios amazonenses.

Na abertura estarão 700 formadores e coordenadores que atuarão nos municípios na formação de professores alfabetizadores.

O PNAIC foi lançado pelo Ministério da Educação em 2012, com o objetivo de mudar a situação da alfabetização tardia no Brasil, incluindo para isso os municípios, Distrito Federal, estados e governo federal.

 O objetivo do pacto é alfabetizar em Português, Matemática e Ciências Humanas e da Natureza todas as crianças até os oito anos de idade, no final do 3º ano do Ensino Fundamental.

O programa apoia as escolas públicas em diferentes necessidades: formação continuada de professores alfabetizadores, com cursos presenciais. Também distribui gratuitamente materiais didáticos e pedagógicos específicos para alfabetização, obras literárias, além de outras tecnologias educacionais como jogos.

Resultados

 A coordenadora do PNAIC, professora Zeina Thomé, explica que entre os principais resultados do PNAIC no Estado, destaca-se o crescimento do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) de 2015, que passou de 3,0 em 2013 para 3,5 em 2015.

De acordo com ela, o Amazonas e Pernambuco foram únicos Estados brasileiros que cresceram em todos os níveis do Ideb 2015 tanto nos anos iniciais e finais do ensino fundamental quanto no ensino médio.

Em âmbito municipal, Manaus também teve bom desempenho, atingindo a nota  4,3 nos Anos Finais. O resultado foi superior a meta de 3,8 determinada pelo Ministério da Educação (MEC) para a capital amazonense. A projeção do MEC era que a rede alcançasse esse resultado apenas em 2019. Nesta faixa, a maioria das unidades da Federação ficou abaixo do esperado. Apenas os estados de Pernambuco, Amazonas, Mato Grosso, Ceará e Goiás conseguiram bons resultados.

Informações: Cefort 3305-1181 – Ramal 2010

Fórum de Reitores da Região Norte

Inicia oitava edição do Fórum de Reitores da Região Norte Desafios da pós-graduação e financiamento das Universidades Federais da Região Norte para o exercício de 2018 estão entre os temas abordados durante o encontro. Espaço permanente de debates, reflexões e ações com vistas ao fortalecimento das Instituições Federais de Ensino, o Fórum de Reitores das Instituições Federais de Ensino da Região Norte chega à oitava edição. A cerimônia de abertura foi realizada na manhã desta terça-feira, 14, no Gabinete da Reitoria da Ufam. Durante a abertura do evento, o reitor da Ufam, professor Sylvio Puga, destacou ........ O vice-reitor, professor Jacob Cohen ressaltou ........ O presidente da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (ANDIFES), professor Emmanuel Zagury Tourinho, nosso grande desafio é uma internet de qualidade.......... Reiterou, também, a importância do portal de periódicos da Capes ................................ Foi a ênfase do pronunciamento do presidente da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (ANDIFES Norte), professor Jefferson Fernandes do Nascimento. "...........", declarou ele. Após os discursos, teve início a Mesa Redonda "Desafios da Pós-graduação na Região Norte", a qual foi mediada pela professora Eliane Superti, da Universidade Federal do Amapá ( UNIFAP). A programação contou com apresentações do presidente substituto da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), professor Geraldo Nunes Sobrinho e do professor Renato Francês, da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (UNIFESPA). Durante sua explanação, o professor Geraldo Nunes Sobrinho fez considerações acerca do cenário de escassez econômica Já o professor Renato Francês, da UNIFESPA, apresentou os resultados da Carta de Rio Branco. No documento, constam solicitações como a revisão de regras para doutorados e mestrados interinstitucionais; a revisão de regras os Aplicativos de Propostas de Cursos Novos e Programas Nacionais de Cooperação Acadêmica (PROCAD) específicos para a Amazônia. A segunda Mesa Redonda foi mediada pelo Reitor da Ufam, professor Sylvio Puga. Voltada a discutir o financiamento das Universidades Federais do Norte para o exercício 2018, contou com os pronunciamentos dos professores .... E ......... . Os questionamentos dos participantes do Fórum foram acerca da utilização novas metodologias para promover melhor articulação dos reitores da Região Norte; sobre propostas de uma nova política para a pós-graduação e teceram críticas ao sistema avaliativo da Capes. A professora Célia Simonetti Barbalho apresentou aos participantes do Fórum a Rede Norte de Repositórios Institucionais. Criar uma incubadora de repositórios. Aqui na Ufam construímos essa competência. É um exemplo de muito sucesso que acontece na Universidade do Minho. Rede de Repositórios Institucionais da Região Norte. É uma rede pioneira no país está alojado no nosso datacenter da Ufam. Teses, relatórios de pesquisa, dissertações. Quem mais consulta o repositorio são os Estados Unidos e o Japão. Precisamos formalizar a Rede. Durante a abertura do evento, Mesa redonda Capes e presidência do Fórum Desafios da pós-graduação na Região Norte O sistema se tornou tão grande que estamos um pouco refém dele. desafios Fortalecer nossas parcerias É realidade, é concreto Queremos institucionalizar o fórum O fórum esta acessivem em redenorte.com.br A medida que as instituicoes vao criando seus repositórios, incluímos na rede. Eu não conhecia

NOTA DE ESCLARECIMENTO

A Universidade Federal do Amazonas vem a público informar que é improcedente a notícia de interdição de laboratório de pesquisa na Universidade em razão do caso de falecimento, por pneumonia, do aluno do curso de Biologia, Helicláudio Pedroso. O protocolo de observação adotado com os que conviveram com o estudante universitário, no periodo que antecedeu a sua morte, é uma indicação que precisa ser seguida em todos os casos de doenças infecto-contagiosas e assim a Universidade vem fazendo. Ressaltamos que a 'observação' não promove o isolamento físico a quem está sob acompanhamento, nem limita atividades cotidianas. 
 
Na oportunidade, a Universidade refuta quaisquer notícias que circulem sem respaldo técnico, causando sensação de insegurança à comunidade acadêmica e à sociedade como um todo.

Ufam participa de fórum para exigir mais recursos

 
Por Carlos William
Equipe Ascom

A Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes) promove reuniões ordinárias com os reitores, mensalmente, com a finalidade de debater as demandas universitárias em todo o território brasileiro, para definir mecanismos para atendê-las. Na mais recente edição do encontro, a Ufam foi representada pelo vice-reitor, professor Jacob Cohen. 

Em concomitância com um Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão, a reunião ocorreu na Universidade Federal da Bahia (UFBA), entre os dias 17 e 18 de outubro, onde o representante da Administração Superior da Ufam, debateu com os demais reitores e seus representantes, o quadro orçamentário das instituições.

De acordo com as colocações do professor Cohen, todas as outras universidades públicas sofrem dificuldades causadas pela ausência de recursos financeiros. A realidade nortista, porém, é ainda mais prejudicada, devido ao isolamento geográfico em relação às demais. “Somos excluídos no cenário da Educação brasileira, fato que deve ser combatido por meio de novos investimentos e incentivos à produção científica, a fim de reafirmarmos que também somos parte do Brasil”, constatou.

Ainda segundo o vice-reitor da Ufam, o orçamento que chega às universidades costuma limitar-se a destinos que não podem ser alterados, como o pagamento dos servidores atuantes e a manutenção da infraestrutura já existente. O capital de investimento necessário para a ampliação dessa estrutura e para fomentar novos projetos não tem sido satisfatório, motivo pelo qual os membros da Andifes estiveram focados em angariar novos recursos.

Solução imediata

O professor Jacob Cohen pontuou o estabelecimento de parcerias com outras instituições públicas de ensino superior como estratégico para uma resolução mais rápida e eficaz do problema. Para ele, juntas, as universidades podem obter uma “fatia maior” das verbas que devem ser destinadas à Educação. “O capital de investimento de que precisamos fica a cargo das iniciativas de ementas parlamentares, especialmente as impositivas. A união com outras instituições tem por objetivo fomentar o ensino superior em todo o Amazonas, não apenas na capital”, esclareceu o vice-reitor.  

A expectativa é, após detalhar todas as dificuldades enfrentadas na futura audiência pública, assegurar o envio de valores suficientes para a construção de outros prédios, a fim de implementar novos cursos de graduação e de pós-graduação até 2019. A agilidade na finalização do prédio da Faculdade de Medicina em Coari foi destacada como prioridade, além da melhoria dos hospitais universitários já existentes (Francisca Mendes e Getúlio Vargas).

Próximo encontro - O próximo encontro já tem data marcada: acontecerá em formato de audiência pública, em Brasília, na Câmara dos Deputados, no dia 12 de novembro.

201017

O site está normal

Estudantes da UFAM participam do maior evento de Ecologia do Brasil

Com o trabalho intitulado “Comparação da variação dia-noite na interação planta-formiga de espécies com diferentes quantidades de nectários extraflorais”, três estudantes do curso de licenciatura em Ciências Biológicas da UFAM participaram da XIII edição do Congresso de Ecologia do Brasil (XIII CEB), mais importante evento da área do país, realizado de 8 a 12 de outubro, na Universidade Federal de Viçosa (MG).

Desenvolvida como atividade prática da disciplina Ecologia e Estatística, a pesquisa de João Vitor Bandeira Ladislau, Lucas Carvalho de Jesus e Lucas de Azevedo Rêgo foi apresentada na última quarta-feira, 11 de outubro, na categoria Interações Ecológicas. O trabalho teve como objetivo investigar se existe relação entre a quantidade de recurso disponibilizado pelas plantas por meio de nectários extraflorais e a diversidade de formigas e se existe variação das espécies de formigas ao longo do dia.

A interação planta-formiga está entre os exemplos mais conhecidos de mutualismo, em que ambos se beneficiam da interação ecológica. De acordo com o professor João Victor Rodrigues, o trabalho dos estudantes se destacou por apontar um diferencial nesta relação. “Foi possível observar que a espécie de planta que apresentava maior proporção de nectários extraflorais foi a que apresentou menor diversidade de espécies de formigas visitando, diferentemente do que esperávamos”, explicou o professor que orientou o trio durante a coleta dos dados e elaboração do trabalho.

Para os estudantes que realizaram a pesquisa na Fazenda Experimental da UFAM, ter o trabalho exposto em um evento da importância do XIII CEB foi uma significativa conquista. "Poderia ter sido apenas um trabalho como qualquer outro de uma disciplina, podíamos nem ter acreditado na possibilidade de apresentá-lo em um congresso, mas fomos atrás disso. Os professores também nos incentivaram muito pra que tudo fosse bem feito”, relembra João Vitor Bandeira Ladislau.  “Foi uma oportunidade incrível ver um trabalho que deveria ser apenas uma avaliação se tornar algo tão importante para nossa formação na graduação”, revelouLucas Carvalho de Jesus.

Ano Letivo de 2018 inicia em março conforme Proposta de Calendário Acadêmico

A Universidade Federal do Amazonas, por meio da Pró-Reitoria de Ensino de Graduação, divulgou, nesta quarta-feira, 27, o Calendário Acadêmico 2018. Aprovado pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (Consepe) ele é divulgado para conhecimento da comunidade acadêmica com vistas ao planejamento das atividades docentes e dicentes. 

Artigo Teste 4

Texto